Rede social

Essas lições aprendidas

Á 16 anos atrás eu era o Chefe de operações do COPOM SP e no meu ponto de vista vivenciei algumas lições aprendidas referente aos múltiplos ataques Coordenados do PCC , o qual quero compartilhar.

Falhas de Comando e Controle.

Lentidão e desorganização de resposta tática.

Essas lições aprendidas -não eram simplesmente o resultado de forças policiais mal treinadas ou mal equipadas.

Os problemas estão enraizados em uma falha de doutrina central, que eu vejo como a incapacidade das forças policiais urbanas convencionais de visualizar e gerenciar mais do que um único evento tático de cada vez.

Os atuais modelos de policiamento
urbano (ainda não informados por nossa crescente conscientização sobre uma nova ameaça) encaram
a resposta à crise como envolvendo
” uma série de compromissos táticos,
em vez de uma “campanha” multidimensional na qual eles devem
envolver “vários incidentes em vários locais ao mesmo tempo.

O objetivo não é aumentar nossa capacidade de executar comando e controle. Não é mais um comando e controle que buscamos.

Em vez disso, devemos diminuir a quantidade de comando e controle de que precisamos.

Analiso ainda que “pequenas equipes devem se mover rapidamente pela cidade de maneira semi-autônoma ” para enfrentar a ameaça de ataques coordenados, lembrando-nos do que é que as forças de segurança devem fazer antes do comando centralizado e estruturas de controle pode ser estabelecidas.

Concluo que grande parte do trabalho inicial será de responsabilidade das patrulhas policiais e não de equipes especializadas, que devem ser treinadas, como na Europa e Israel, para fornecer policiamento de “espectro total”.

Negar a existência das ciências polícias pode ser desastroso para uma profissão que tem como missão ” salvar vidas” .

@valmorracorti
@odoccaveira
@__ultimaratio
@qapgeral
@mikepadraooficial
@cmtehamilton
@cmteuan

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *